domingo, 20 de agosto de 2017

Ramos Pinto: degustação de Vinho do Porto


Depois do almoço, na Ribeira, em Porto, caminhamos até Vila Nova de Gaia, do outro lado do Douro. Atravessamos a ponte de ferro e tivemos uma das vistas mais lindas da cidade do Porto. Nosso objetivo era degustar vinho do porto, tradicional no local.


Optamos pela tradicional cave Ramos Pinto, que fica na beira do rio. Sua fundação ocorreu em 1880, por Adriano Ramos Pinto, que logo se fez notar pela sua estratégia pioneira de inovação, exportando seu produto para o mercado brasileiro.

A visita ocorre em português, inglês ou espanhol. Começamos visitando a Museu Casa Ramos Pinto e, depois, descemos para as caves. Lá aprendemos sobre o processo de fabricação, guarda e envelhecimento do vinho em barris de carvalho. Aprendemos, também, que quanto mais envelhecido, mais durável é o produto. Quanto mais jovem, mais rápido deve ser consumido o vinho quando aberta a garrafa.



 Logo após, subimos para a parte mais alta e degustamos um vinho branco e outro tinto, ambos com intenso sabor e aromas. Os produtos podem ser adquiridos ali mesmo, caso haja interesse. Podem ser enviados diretamente ao Brasil, também, pela empresa.



No Douro ficam as embarcações que eram utilizadas para o transporte do vinho do porto. São chamadas de 'rabelos' e possuem o fundo chato para melhor acomodar os barris.



Além dessa cave, existem outras que também podem ser visitadas. São inúmeras as existentes ali na ribeira. Ah, e se quiser, pode fazer um passeio de teleférico sobre a região. 



sexta-feira, 23 de junho de 2017

Porto - Roteiro do segundo dia


Levantamos bem cedinho, tomamos café e... rua! Fomos procurar a Oficina de Turismo do Porto para pegar mapas e mais algum material de nosso interesse.


Passamos pelo Paço do Concelho e fomos procurar a loja do time do Porto para eu comprar a encomenda do Jaime (ele coleciona manta de times de futebol). 



Logo na esquina, fica o Mercado do Bolhão. Claro que a gente foi até lá ver o que tinha de legal.





O gato cuidando das sardinhas
 Passamos pela Estação São Bento e seguimos para a Catedral da Sé e para o pelourinho do Porto.


Deste paço se tem uma bela vista do Douro e Vila Nova de Gaia.


Descemos rumo à ribeira e visitamos a Igreja de São Francisco de Assis e a sua cripta.



Já com fome, fomos procurar um lugar legal para comer. Decidimos pelo Farol da Boa Nova, de frente para o Douro.



Depois do almoço, atravessamos a ponte e fomos para Vila Nova de Gaia, para degustar Vinho do Porto.


Dentre as opções que tínhamos, visitamos a Ramos Pinto. Saímos de lá bem prontinhas... A degustação não é de um golinho como é aqui no Brasil... Vou contar sobre isso em um post separado.


Na volta de Gaia, nos sentamos na ribeira para ver o povo passar. Curtimos um por do sol e decidimos voltar para casa, mas não sem antes procurar um Vinho do Porto Barros para trazer para casa, o que não encontramos por menos de 200, 300 euros.


Foram mais de seis quilômetros caminhando. Mas conseguimos ter uma noção da bela cidade do Porto. E sabe onde a gente terminou o dia? No Retiro dos Carvalhos, como despedida!




segunda-feira, 19 de junho de 2017

Centro Português de Fotografia - CPF/Porto


Este post foi escrito em comemoração à #MuseumWeek, que, em 2017, vai de 19 a 25 de junho. A blogagem coletiva foi organizada pela Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem - RBBV, e vai falar sobre o Centro Português de Fotografia, que fica no Porto, em Portugal.

Veja a nossa participação em outras ações desta natureza clicando aqui.

O Centro Português de Fotografia existe de 1997 e tem por objetivo assegurar uma política nacional para a fotografia, com a missão de salvaguardar, valorizar e promover o patrimônio fotográfico. Que legal isso, né? Aqui no Brasil as políticas nacionais obrigatórias são deficientes, quem dera ter uma para a fotografia...

A gente foi visitar esse belíssimo espaço porque a minha irmã é fotógrafa e, em razão disso, buscamos, tanto em Amsterdã, como em Porto e Lisboa, lugares cujo tema central fosse a fotografia, o fotojornalismo, etc. Quer conhecer mais sobre o trabalho dela? Clique aqui para ver o blogue e aqui para curtir a fanpage.




Voltando ao CPF, então, preciso contar que o prédio começou a ser construído em 1767 e demorou 30 anos para ser concluído. Alojou o Tribunal e a Cadeia de Relação, sendo que na parte inferior ficavam as celas, hoje transformadas em salas para exposições temporárias, e os andares superiores eram destinados ao Tribunal, com melhores acabamentos. 



O espaço abriga a Coleção Nacional de Fotografia, que permite compreender os diversos processos fotográficos. É constituída de mais 8 mil documentos, todos inventariados e catalogados, que acaba por contar um pouco da história mundial da fotografia.


Dos andares superiores, o que impressiona é a bela vista da cidade do Porto. Vê-se o Douro, a Sé e os característicos telhados vermelho que compõem a cidade. Impossível não ficar admirando a paisagem durante algum tempo.





O CPF abriga, ainda, uma coleção fantástica de câmeras e de equipamentos fotográficos. Tem de todos os modelos, tamanhos, tipos e marcas que se possa imaginar. A coleção foi iniciada por António Pedro Vicente, historiador e professor catedrático de História Contemporânea na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, que se interessava por fotografia e juntou cerca de 1900 peças. Atualmente a coleção conta com a contribuição de outros importantes fotógrafos portugueses, chegando a quase 6 mil peças!






O acesso a essa e outras exposições é gratuito, dentro do horário de funcionamento do CPF, que fecha às segundas-feiras. Pode ser agendada visita guiada. Saiba mais no saite.


Mais um museu top em Portugal. Vale muito para conhecer a história da fotografia e para ver a linda vista da cidade do Porto.

Veja outros blogues participantes da ação e aproveite para descobrir muitos museus interessantes ao redor do mundo.



1) Trilhas e Cantos:  Museu Casa dos Contos, em Ouro Preto, Minas Gerais.  
2) Tá indo pra onde?: Museus e experiências além do básico em Barcelona 
3) Mariana Viaja: National Gallery of Art, em Washington;  
4) Turistando.in: Visitando o Museu de História da Arte de Viena (Kunsthistorisches Museum);
5) Vamos Por Aí: Meus Museus Favoritos;
6) Viajar correndo: Museu Light da Energia, Rio de Janeiro;
7) Guia do Nômade Digital: Galeria 11/07/95: Galeria sobre o Genocídio na Bósnia e Herzegovina;
8) Uma Viagem Diferente: 4 Museus Imperdíveis em Florença;
9) Quase Nômade: Museu Iberê Camargo, em Porto Alegre;
10) Gastando Sola Mundo Afora: Museo de Arte Precolombino de Cuzco;
11) Passeios na Toscana; Florença do alto: as Torres abertas à visitação;
12) Cantinho de Ná: Museu do Futebol em São Paulo: paixão, história e entretenimento;
13) Destino Compartilhado: Museu Lasar Segall;
14) Entre Polos:  Museu Nacional do Hermitage - São Petersburgo - Rússia;  
15) Mulher Casada Viaja: Exploratorium - Museu de São Francisco, Califórnia;
16) TurMundial:  Museu do Picasso em Málaga, Barcelona e Antíbes;
17) Monday Feelings: Museus de graça na Itália todos os primeiros domingos do mês;
18) Farrabadares: Memorial São Nikolai em Hamburgo;
19) Itinerário de Viagem: MET Museum em Nova Iorque;
20)Viajar hei: Museu Imperial - Petrópolis - Rio de Janeiro;
21) Sol de Barcelona: Museu Olímpico e do Esporte - Barcelona;  
22) Família Viagem:  Children’s Museum of Houston - Texas com crianças;
23) Muita Viagem: Museu Casa Pueblo - Punta Ballena, Uruguai;  
24) Viaje na Web: American Museum of Natural History - Museu de História Natural de Nova York;
25) Aquele Lugar: Museus do Vaticano - Roma - Itália;
26) Viagem LadoB: Ilha dos Museus - Berlim;
27) Viajento: Museo Santuarios Andinos - Arequipa, Peru;
28) MEL a Mil pelo Mundo; Museo de Ciências Naturais de Madrid;
29) Caixa de Viagens; Museu Charlie Chaplin: o Chaplin’s World em Vevey, Suíça;
30) Let's Fly Away: Museu Botero, Bogotá, Colômbia;
31) Viajo com filhos: Nemo Science Museum, em Amsterdã, Holanda;
32) Sonhando em Viajar: Catetinho, em Brasília, Brasil;
33) Viajoteca: Batik na Indonésia: Museu Têxtil em Jakarta, Indonésia;
34) Mochileza: Museu do Automóvel de Turim, Itália;
35) Comendo Chucrute e Salsicha: Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires, Argentina;
36) 1001 Dicas de Viagem: Museu Histórico de Berna, Suíça;
37) Estrangeira: 8 Museus Imperdíveis em Barcelona, Espanha;
38) Devaneios de Biela: Museu Nacional da Finlândia em Helsinki;
39) ILoveTrip: Top 7 Museus em Brasília que você precisa conhecer;
40) Me Deixa Ser Turista: Conheça o Museu da Revolução, em Havana;
41) A Fragata Surprise: Museus de Florença - Guia de Sobrevivência;  
42) Direto de Paris: Os Museus de Troyes.
43) A Vida é Como Um Livro: Galeria Nacional da Noruega;
44) Dedo no Mapa: Museu Paranaense;
45) Ligado em Viagem: Beco do Batman é museu de grafite e arte de rua em São Paulo

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Livraria Lello - Porto


A Livraria Lello é famosa pelo seu interior, mas sua história remonta a 1869, quando publicava as obras de Camilo Castelo Branco e era conhecida como "Livraria Internacional de Ernesto Chardron". Somente em 1919 a razão social passou a ser Livraria Lello e Irmão Lda.


Em 1906 ela foi inaugurada no atual endereço, com projeto do engenheiro Francisco Xavier Esteves. Ela está localizada na Rua das Carmelitas, 144, em Porto. Em 1995, o prédio foi restaurado, sendo que o serviço foi atualizado e informatizado. Nesta oportunidade, criou-se uma galeria de arte e espaço para tertúlias culturais, sendo um importante ponto cultural da cidade.


É cobrado o valor de 3 euros para o ingresso na livraria, que é lindamente decorada em seu interior, com esculturas em madeira. Esse valor é descontado de eventual compra realizada. O objetivo era conter a horda de visitantes, mas isso chamou mais ainda a atenção, atraindo cerca de 3 mil turistas por dia. Sim, tem fila para comprar ingresso e para entrar! Esse simbólico valor é utilizado para obras de restauro, como por exemplo o da vidraça de 8 m de comprimento por 3,5 m de largura, composta por 55 painéis de vidro, de autoria do arquiteto holandês Gerardus Samuel Van Krieken. 




Os arcos apoiados nos pilares sob baldaquinos rendilhados, os bustos de diversos escritores, dentre eles o de Eça de Queirós e o de Camilo Castelo Branco, junto ao teto trabalhado, ao vitral e à escadaria são os destaques desta livraria. Reza a lenda, ainda, que a escada serviu de inspiração para J.K. Rowling em Hogwarts, nos livros de Harry Potter, pois a autora morou no Porto.




Esquece tirar uma foto na famosa escadaria sem alguém subindo ou descendo...  Abaixo, o espaço para exposições de arte (na oportunidade, era sobre Channel).


Dá para ter uma noção do tumulto??? Eu me irritei tanto que comprei um guia de fotografia e saí correndo, já que os livros que estava buscando não encontrei lá.



Vale a visita? Vale! O lugar é lindo mesmo! Mas vá sabendo do tumulto! Fui no final da tarde e estava assim, lotada.